Bafo de telúrio

3

careta pelo fedor
“O cheiro é tão persistente, que é necessário evitar a vida social por vários meses, a fim de não incomodar outras pessoas “, declarou M. Heeren em artigo publicado em 1861, no qual comentava sobre a manipulação de compostos contendo telúrio. Problema também relatado em 1840 por F. Wöhler, que dizia “e por seu cheiro forte e persistente ligado à repulsa, que ninguém gostaria de experimentar uma segunda vez”.

O mau cheiro pode ter sido um dos motivos pelos quais a pesquisa envolvendo compostos de telúrio avançou lentamente, durante o século seguinte voltou a ter destaque com relevações mediante estudos publicados em 1955 pelo grupo de W. Rheinboldt, “que boa parte das classes dos compostos orgânicos de telúrio, são sólidos e até mesmo inodoros, dando enfâse aos aromáticos”. Contudo existem aqueles com baixo peso molecular e baixa volatilidade, necessitam de maiores cuidados no seu manuseio, devido ao seu odor bastante acentuado e impregnante, sendo necessário evitar o contato com a pele e sua inalação para evitar o inesperado “bafo de alho” – provavelmente causado pelo telureto de dimetila que resulta da metabolização do telúrio no organismo.

Existem grandes semelhanças com alguns compostos de selênio, enxofre e telúrio pelo fato de ambos terem compostos tão fedorentos que chega a ser desanimador o seu manuseio e até mesmo pelo fato de confundi-lo um com o outro. O selênio por constar características que coincidem com o telúrio, levou o seu descobridor Jöns. J. Berzelius acreditar que estava trabalhando com o mesmo, mas logo percebeu que estava manipulando um elemento que ele desconhecia, mas com características bastantes semelhantes ao telúrio.

A química orgânica do telúrio conquistou um espaço notável na literatura nos últimos 10 anos, portanto, hoje tornou-se bem mais fácil dominar os compostos contendo telúrio, por saber identificar quais são potencialmente fedorentos e quais são inodoros. Além disso foram desenvolvidos métodos para inibir os precursores de mal cheiro, portanto é possível fazer uso do telúrio elementar em sua composição como ponto inicial, fazendo com que gerem reativos intermédiarios, e se prossiga com a técnica sem maiores aborrecimentos.

Fontes:
– Add a Little Tellurium to Your Synthetic Plans! – Aldrichimica ACTA VOL. 33, NO. 2 – 2000
– Novos Aspectos de Antigas Reações de Compostos de Telúrio – Química Nova 16(2), pag. 138 – 1993
Os malcheirosos – Pesquisa FAPESP Online

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.


________________________________
________________________________

Se você quiser fazer parte de nossa grande comunidade...

Receba as atualizações da Tabela Periódica


3 comentários

  1. Entre os vinhos acontece o mesmo…Num estudo sobre avaliao sensorial dos vinhos dois professores da Universidade da Califrnia Maynard Amerine e Edward Roessler afirmam que no vinho esto identificados aromas de pelo menos 181 steres 52 lcoois 75 aldedos e cetonas 22 acetais 18 lactonas seis acetamidas secundrios 29 compostos contendo nitrognio e 18 contendo enxofre dois teres 11 furanos e 18 epxidos bem como 30 outros compostos variados. E a interao e quantidade desses componentes vo por fim afetar o bouquet medida que o vinho envelhece…Lund e Bohlmann chegaram a determinar os compostos aromticos de algumas uvas.

Deixe um comentário