O ferro que veio do céu

0

O cobre era o metal preferido pelos Egípcios na fabricação de utensílios e ferramentas. O ferro, apesar de seu intenso uso atualmente, demorou a ser dominado pelos artesãos da época. Feita a curiosa exceção ao ferro coletado em meteoritos.

De acordo com artigos científicos publicados em 2013 nos periódicos Journal of Archaeological Science, e Meteoritics & Planetary Science, pesquisadores confirmam que a 5000 anos atrás, os egípcios usaram pedaços de um meteorito rico em ferro para forjar contas de um colar decorativo.

pedaços de ferro corroído
Imagem das contas originais encontradas em um sítio arqueológico em Gerzeh, Egito.

Estes antigos registros de amostras de ferro foram encontrados na cidade de Gerzeh (em antigo cemitério do Egito). O material fazia parte de um total de nove contas desse metal em um cordão decorativo. Sendo estas uma das mais antigas evidências de manipulação metalúrgica do ferro, a cerca de 3200 aC.
O estudo realizado pelo professor Thilo Rehner, especialista na área de arqueologia e metalurgia antiga, comprovou não apenas a origem do ferro, mas também a sua composição. Para determinar a sua formação foi utilizada a mais alta tecnologia de nêutrons não-invasivos e de raios-x, no qual os seus resultados mostraram que sua composição de níquel era muito alta, e a presença do elemento germânio em condições específicas, comprovaram então que o ferro era de origem de meteoritos; além de mostrar que a estrutura cristalina do metal era do padrão Widmanstätten, sendo isto normalmente visto em asteroides do Sistema Solar.

Especula-se que os egípcios acreditavam que o metal era sagrado por cair do céu e ter feito parte dos deuses, associando as peças a um símbolo de riqueza e poder

Referências:
= 5,000 years old Egyptian iron beads made from hammered meteoritic iron
Journal of Archaeological Science

Volume 40 (12) Dezembro 2013, Páginas 4785–4792
= Analysis of a prehistoric Egyptian iron bead with implications for the use and perception of meteorite iron in ancient Egypt
Meteoritics & Planetary Science

Volume 48 (6), Páginas 997–1006, Junho 2013

Texto escrito por Bruna Lauermann.


Nenhum comentário

Deixe um comentário