Reator nuclear no Japão

2

Prof. Martyn Poliakoff comenta em vídeo sobre os acidentes ocorridos nos reatores nucleares no Japão, após a ocorrência do terremoto e tsunami.

Ele responde a perguntas feitas ao grupo, sobre a necessidade do uso de boro em uma usina nuclear, o processo que ocorre em uma fissão, e sobre a importância do uso do iodo na diminuição dos riscos da contaminação por isótopos radioativos.

Martyn também lembra que o zircônio talvez seja o responsável pelo acúmulo de gás hidrogênio no sistema, aumentando ainda mais o risco de explosão. E sobre a difícil decisão em usar água do mar para resfriar o núcleo do reator, acarretando ainda mais danos para toda estrutura.

Vídeo com legendas em português. Para ver as legendas, clique no play (tocar) e depois no botão CC, e escolha a legenda em português.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.


______________________________________________________________________

Curta nossa página no Facebook!


______________________________________________________________________

2 comentários

  1. At 2:15, he says that the uranium of the reactor, if left by itself, without any kind if isolation, would generate an atomic explosion. Wrong. An atomic explosion is another name for nuclear explosion. The reactor would melt and generate a *chemical* explosion (not atomic). In order to have an atomic explosion, that is, a nuclear explosion, we should have enriched uranium at 95%. This is the uranium used in the bombs. In a reactor, there is enriched uranium at 5%. This uranium doest not explode “nuclearly”.

Deixe um comentário