Radioisótopos para a paz

0

O Laboratório Nacional de Oak Ridge foi inaugurado com a missão de produzir plutônio para armas nucleares, mas, após a Segunda Guerra Mundial, encontrou uma nova vocação.

Em 1942, o presidente Roosevelt ordenou que o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA coordenasse a pesquisa sobre armas nucleares. A iniciativa que veio a ser conhecida como o Projeto Manhattan envolveu laboratórios nacionais em todo o país. Uma dessas instalações, Clinton Laboratories, encontrou um lar improvável no leste do Tennessee.

O leste do Tennessee não parecia um local propício para uma instalação relacionada à guerra: a região tinha poucos cientistas e nenhum equipamento de laboratório sofisticado. Mas tinha eletricidade barata e abundante graças à Tennessee Valley Authority, que vinha eletrificando a região desde 1933. O relativo isolamento da área também provou ser ideal para pesquisas super secretas.

isótopos para uso médico
Uma varredura nuclear óssea mostrando radioisótopos (destacado em vermelho-laranja) no local de uma fratura por compressão. (Fonte: Living Art Enterprises / Science Photo Library)

A construção começou em 1º de fevereiro de 1943 e, em 4 de novembro, o primeiro reator nuclear operacional do mundo tornou-se crítico. Conhecido como a pilha de Clinton, ou reator de grafite, foi projetado para bombardear o urânio-238 com nêutrons para produzir plutônio para o desenvolvimento de uma arma nuclear. E por fim, outras instalações foram construídas no trabalho piloto feito em Clinton Laboratories para produzir o plutônio usado na bomba atômica lançada sobre Nagasaki.

Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, aparentemente a missão do Projeto Manhattan e suas instalações associadas teria sido cumprida. No início, não estava claro para que finalidade os Laboratórios Clinton serviriam em tempos de paz, mas os pesquisadores logo identificaram uma ferramenta para a medicina: os radioisótopos. Em 2 de agosto de 1946, Eugene Wigner, diretor do Clinton Laboratories, apresentou um pequeno recipiente de carbono-14 ao diretor do Hospital Barnard Free Skin and Cancer de St. Louis para pesquisas em estudos de câncer. Esses foram os primeiros isótopos de carbono-14 a serem produzidos para uso fora do Projeto Manhattan, e a apresentação de Wigner marcou o início do uso em tempo de paz da energia atômica.

Clinton Laboratories, que se tornou o Laboratório Nacional Oak Ridge (ORNL) em 1948, fez mais de 1.000 entregas de radioisótopos, principalmente de iodo-131, fósforo-32 e carbono-14, no primeiro ano de produção; em 1950, o número de remessas se aproximou a 20.000. Depois que o reator de grafite fechou em 1963, a produção passou para o reator de pesquisa de Oak Ridge, que produzia radioisótopos até 1987. Atualmente, a maioria dos radioisótopos são produzidos fora dos Estados Unidos, mas o ORNL continua produzindo isótopos especiais em seu reator isotópico de alto fluxo.

Os radioisótopos são usados ​​em pesquisas agrícolas, controles industriais e até mesmo em detectores de fumaça domésticos. Mas suas aplicações na medicina nuclear são provavelmente as mais conhecidas. Quando os radioisótopos são injetados no corpo, a radiação emitida revela distúrbios na tireoide, coração, fígado, outros órgãos e ossos. Em alguns casos, a radiação é então usada para tratar órgãos doentes ou para encolher ou eliminar tumores.

O ORNL foi o local de produção de um dos subprodutos científicos mais importantes do Projeto Manhattan. Ao longo dos anos, radioisótopos de carbono, césio, cobalto e outros elementos foram usados ​​na terapia do câncer. Outros isótopos, notadamente o tecnécio-99, têm uma infinidade de usos para diagnóstico por imagem. Anualmente, mais de 10 milhões de procedimentos de medicina nuclear são realizados e mais de 100 milhões de testes de medicina nuclear são realizados em americanos. Talvez até 100 tipos de radioisótopos sejam usados ​​no diagnóstico ou na terapia. Embora tenha sido concebido para pesquisa de armas, o ORNL alcançou alturas muito maiores ao disponibilizar radioisótopos para pesquisas científicas que avançaram a saúde e a segurança de indivíduos em todo o mundo.

Texto escrito por Judah Ginsberg.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘Radioisotopes for Peace’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Natanna Antunes e Kelly Vargas.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

Que tal ver estes outros textos?
Do césio uma limonada
Sementes de radônio


Nenhum comentário

Deixe um comentário