0

Abaixo você encontra 4 belas opções de tabelas periódicas dos elementos químicos para imprimir.
São 2 modelos diferentes em versões colorida e P&B em formato de arquivo PDF ou JPG.

Observação importante – Esta atualização não tem alterações técnicas significativas em relação ao ano de 2016. Apenas algumas pequenas mudanças estéticas e de grafia do nome de 2 elementos foram realizadas.

Data da revisão – 27 de março de 2017

Versão com peso atômicos simplificados [indicada para estudantes]

Preto e branco

clique para ampliar
Arquivo em formato PDF (tamanho folha A4)
Arquivo em formato JPG (tamanho A4)

Colorida

clique para ampliar
Arquivo em formato PDF (tamanho folha A4)
Arquivo em formato JPG (tamanho A4)

Versão com intervalos de peso atômicos [indicada para os que desejam mais detalhes]

Preto e branco

clique para ampliar a imagem
Arquivo em formato PDF (tamanho folha A4)
Arquivo em formato JPG (tamanho A4)

Colorida

clique para ampliar
Arquivo em formato PDF (tamanho folha A4)
Arquivo em formato JPG (tamanho A4)

0

pedaço de metal gálio
Uma característica um tanto estranha do elemento gálio (metal) é que ele expande o volume quando esfria e passa da fase líquida para a fase sólida. A variação é ampla o suficiente para quebrar um frasco de vidro no qual o gálio líquido resfrie até a fase sólida.

No vídeo abaixo o Cody Don Reeder deixa o gálio líquido resfriar lentamente em uma pequena garrafa de vidro. No momento em que a parte superior do metal solidifica formando uma espécie de tampão, a expansão do metal acaba quebrando a garrafa.

Vídeo com legendas em português. Ative a exibição da legenda pelo YouTube.

No vídeo a seguir o Cody mostra como o gálio sólido é um metal quebradiço. Os pedaços quebrados tem uma aparência vítrea e chegam a rasgar uma folha de papel.

Vídeo com legendas em português. Ative a exibição da legenda pelo YouTube.

A toxicidade do material não é alta e pode ser cautelosamente manuseado com as mãos. No entanto, o uso de luvas é indicado se o elemento foi adquirido de algum fornecedor que não possa garantir a pureza do material.

Texto e legenda (do segundo vídeo) escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

0

maçarico aquece amostra do elemento cério
O elemento cério faz parte do grupo classificado como terras-raras; e infelizmente esse nome dá uma falsa ideia de que é um material difícil de ser encontrado. Ao contrário, talvez neste momento você tenha um pouco de cério por perto em ‘pedras’ de isqueiro, mantas em iluminação à gás ou até mesmo em um daquelas antigas de TV com tubo.

O russo Maxim Thoisoi mostra no vídeo abaixo o faiscamento que ocorre na fricção da liga ferrocério (19% Fe, 38% Ce, 22% La, 4% Nd, …), o intenso brilho do aquecimento de uma manta usada em iluminação à gás, e a reação do cério com ácido clorídrico.


Vídeo com legendas em português. Ative a legenda usando o botão CC no vídeo (e ajustando as configurações para selecionar o idioma).

Posição do elemento na tabela periódica
elemento químico cério destacado na tabela periódica

Manta usada no tradicional lampião à gas. Neste caso aquecida em uma chama de bico de bunsen.
brilho de manta sob chama de bunsen

Texto e legendas escritos pro Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Prometo não fazer nenhuma piada com o nome do elemento! Cério!

0

hélio disfarçado de hidrogênio
Professor Sir Martyn Poliakoff explica, com a ajuda de tangerinas(!), o complicado artigo publicado na revista Science de janeiro de 2011 [Kinetic Isotope Effects for the Reactions of Muonic Helium and Muonium with H2].

A ideia fica mais clara no vídeo abaixo, mas basicamente o que os pesquisadores conseguiram foi uma interação entre o hidrogênio e um hélio engenhosamente modificado com múons.

Vídeo com legendas em português. Ative a legenda pelo botão CC que aparecerá no vídeo (youtube).

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

0

reação de césio metálico com água
Neil, do canal Periodic Videos tinha uma amostra de césio em uma ampola de vidro e estava muito interessado em ver o que aconteceria se o recipiente fosse quebrado embaixo da água.

O césio reage violentamente com água, produzindo hidróxido de césio e hidrogênio. A reação libera uma grande quantidade de energia que acaba por causar a posterior combustão do hidrogênio (gás) com o oxigênio do ar – e mais energia!

A amostra estava selada sob vácuo e sem contaminação por umidade ou oxigênio, o que poderia garantir uma melhor reação do césio com a água.

O vídeo abaixo mostra a comparação da reação explosiva da água com césio, potássio e sódio.

O vídeo possui legendas em português. Ative a legenda usando o botão CC que aparece no vídeo.

Vale a pena ressaltar que a amostra de césio usada não é radioativa. Para ser radioativo o césio precisa conter uma grande quantidade do isótopo 137.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

0

Com uma ‘câmara de Wilson’ – ou cloud chamber (câmara de nuvens) – é possível visualizar o processo de formação de partículas carregadas (alfa e beta).

Essas câmaras de nuvens são montagens nas quais se mantém uma atmosfera supersaturada em vapor de água ou álcool. A presença de uma fonte radioativa que produz partículas carregadas que interagem com o ar gerando ionização, isso facilita a formação de núcleos de condensação de álcool ou água.

Dr Peter Wothers mostra o efeito introduzindo uma vareta com uma pequena quantidade do elemento radioativo amerício. O Peter comenta que o amerício é utilizado em detectores de fumaça; isso é mais comum nos EUA e no Brasil esse tipo de detector não costuma ter material radioativo.

A partícula alfa é constituída de 2 prótons e 2 nêutrons, e a diferença dela para o hélio é a ausência de dois elétrons; portanto podemos dizer que na câmara de nuvens conseguimos visualizar o “nascimento” de átomos de hélio (com carga 2+).

Vídeo com legendas em português (ative clicando no botão CC que aparecerá no vídeo).

Alguns museus de ciência possuem essas câmaras de nuvens em exposição (por exemplo, no Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, em Porto Alegre).

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.