Uma seleção ampla de diversos textos, vídeos e informações relacionadas com a química e a tabela. Se você quer variedade, aqui é o seu lugar!

0


Um grupo de cientistas russos e americanos anunciaram a criação do elemento químico de número atômico 117. Esta equipe reuniu pesquisadores do Joint Institute of Nuclear Research (Dubna, Russia), do Research Institute for Advanced Reactors (em Dimitrovgrad), Lawrence Livermore National Laboratory, Oak Ridge National Laboratory, Universidade Vanderbilt, e a Universidade de Nevada, em Las Vegas.

A equipe demonstrou a existência do elemento 117, pela observação dos padrões de degradação após bombardeios de um alvo de berquélio radioativo com íons de cálcio, no ciclotron U400 JINR, na cidade de Dubna.

“A descoberta do elemento 117 é o culminar de um percurso de uma década para expandir a tabela periódica, e escrever o próximo capítulo da pesquisa de elementos pesados”, disse o acadêmico Yuri Oganessian, líder científico do Laboratório Flerov de reações nucleares em JINR e porta-voz da colaboração.

“Este é um avanço significativo para a ciência”, disse o diretor George Miller da LLNL. “A descoberta de um novo elemento fornece novas idéias na composição do universo e é um testemunho da força da ciência e da tecnologia nas instituições parceiras.”

“Esta colaboração e a descoberta do elemento 117, demonstram a importância fundamental de cientistas de diferentes nações e instituições que trabalham em conjunto para resolver complexos desafios científicos”, acrescentou Thom Mason, diretor do ORNL.

A jornada experimental de dois anos, começou na High Flux Isotope Reactor em Oak Ridge, com uma irradiação de 250 dias para produzir 22 mg de berquélio. Este foi seguido por 90 dias de tratamento em Oak Ridge para separar e purificar o berquélio, uma preparação do alvo em Dimitrovgrad, 150 dias de bombardeios em um dos mais poderosos aceleradores de íons pesados, em Dubna; uma análise de dados em Livermore e Dubna, finalizada por uma avaliação e revisão dos resultados pela equipe. Todo o processo foi conduzido por 320 dias de meia-vida do material alvo, o berquélio.

O experimento produziu 6 átomos do elemento 117. Para cada átomo o grupo observou um decaimento alfa do elemento 117 para o 115, para o 113, e assim por diante até o núcleo se fissionar, dividindo-se em dois átomos mais leves. No total, 11 novos isótopos “ricos em nêutros” foram produzidos, levando os pesquisadores a estarem mais próximos de uma possível “ilha de estabilidade” dos elementos superpesados.

A ilha de estabilidade é um termo da física nuclear, que se refere à possível existência de uma região no limite da tabela periódica atual, onde novos elementos superpesados, com números especiais de prótons e nêutrons, que poderiam apresentam maior estabilidade. Essa ilha poderia ser uma extensão da tabela periódica, para uma faixa de elementos ainda mais pesados, que poderiam possuir vidas isotópica longas o suficiente para permitir experimentos químicos com o material.

Esta descoberta traz o total de seis novos elementos descobertos pela equipe de Dubna-Livermore (113, 114, 115, 116, 117 e 118, o elemento mais pesado até a data). Esta é a descoberta do segundo elemento novo para Oak Ridge (61 e 117). Além disso, os isótopos de Oak Ridge contribuíram para a descoberta de um total de sete novos elementos.

Desde 1940, 26 novos elementos além do urânio foram adicionados à tabela periódica.

Até o momento o elemento continua com o seu nome provisório “ununseptio“, que foi dado segundo os critérios de nomenclatura da IUPAC.

Para mais informações leia
https://www.eurekalert.org/pub_releases/2010-04/dlnl-itd040610.php (inglês, fonte deste texto)
https://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,elemento-117-e-criado-pela-primeira-vez-em-laboratorio,535101 (português)

Veja o artigo original, que relata a descoberta, em:
Synthesis of a New Element with Atomic Number Z=117
Phys. Rev. Lett. 104, 142502
https://dx.doi.org/10.1103/PhysRevLett.104.142502

Atualização (outubro de 2019): Atualmente o elemento é conhecido como Tennesso.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

0


A coleção de demonstrações interativas da Wolfram traz uma interessante tabela periódica interativa, e com possibilidade de visualização de informações em 3D.
Para visualizar a demonstração será necessário ter instalado o Wolfram Player, para isto acesse

https://www.wolfram.com/player/

Após instalado o Player, você pode ter acesso à tabela interativa pelo link
http://demonstrations.wolfram.com/PropertiesOfTheElements/

Esta simulação te dará a possibilidade de vasculhar infinidade de propriedades físicas sobre os elementos e informações sobre a abundância de cada um em diversos sistemas.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

1

É relativamente comum alguém inventar um bolo enfeitado com o desenho da tabela periódica.
A equipe do Chemical Heritage Foundation resolveu comemorar o aniversário do primeiro ano do museu com uma tabela periódica feita com bolinhos (cupcakes).



Para fazer uma festa assim terá que garantir que não terá mais de 118 convidados.
Também pode ouvir as óbvias piadinhas se desejar comer um bolinho que representa o chumbo, mercúrio, selênio… 🙂
É uma boa ideia para uma divertida aula de química.

Atualização (outubro de 2019): Atualmente o Chemical Heritage Foundation é conhecido como Science History Institute.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

1

Utilizando o nosso website como ferramenta em prática de ensino, a professora Silvana Monteath, locada no Colégio Estadual Professor José de Souza Marques, no Rio de Janeiro, promoveu um trabalho com seus alunos na investigação do sódio. Os alunos aceitaram o desafio, e se surpreenderam com as descobertas que fizeram utilizando este website articulado ao blog Em Síntese para o mesmo elemento.

Confira algumas fotos:
aluna website tabela periodica

alunos-silvana-tabela-2

alunos-silvana-tabela-3

alunos-silvana-tabela-4

A professora Silvana organiza uma comunidade no NING para uma interação com seus alunos, na qual mantém uma prática de ensino digital articulada com as aulas presenciais no Colégio.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

0

arquivos tabela audio
A Royal Society of Chemistry lançou um website totalmente dedicado a podcasts (arquivos de áudio) sobre diversos elementos da tabela.
Os podcasts trazem informações sobre a história, as propriedades e curiosidades sobre cada elemento.
Para ouvir os arquivos de áudio basta clicar sobre os elementos que possuem a imagem de um fone de ouvido.
Veja todos os arquivos em
https://www.chemistryworld.com/podcasts

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

2

Para promover a divulgação do Oxford Science Park, um parque de ciência e tecnologia da cidade de Oxford, na Inglaterra, alguns táxis e ônibus foram decorados com tabelas periódicas.
taxi decorado com tabela periódica

onibus tabelas periodicas

Dica de Claudia Chow

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).