divertido

Textos, experimentos e fatos divertidos sobre os elementos químicos.

0


O XeNUBi é um jogo para telefones celulares e tablets, que permite ao usuário exercitar seu conhecimento quanto a relação das propriedades de um elemento químico e sua posição na tabela periódica.

A estratégia do jogo é muito semelhante ao popular ´Super Trunfo´. Neste caso dois elementos químicos aparecem posicionados em uma Tabela Periódica. O jogador deve analisar a posição dos elementos e escolher qual propriedade química do seu elemento é superior ao elemento do oponente (Dr. Moseley).

O jogo possui instruções na tela de entrada e um botão de “Dica” que pode ser visualizado durante o jogo de forma a auxiliar o jogador a fazer a melhor escolha da propriedade, tudo com base nos conhecimentos científicos.

O jogador e o oponente ganham 5 cartas (elementos químicos) para iniciar o jogo. O primeiro que atingir 10 cartas ganha a partida.
Quando o jogador acerta a resposta, ele ganha uma das cartas do oponente (Dr.Moseley). Quando erra, perde uma carta para o oponente.

Demonstração do jogo

O jogo funciona em celulares e tablets com os seguintes sistemas operacionais:
– Celulares e tablets Android a partir da versão 2.1
– Telefones Nokia series N40, N60 e acima que rodem Flash Lite
– iPhone e iPad a partir da versão 4.0

O jogo é gratuito!

Para baixar acesse o site
www.xenubi.com.br/downloads (atualização março/2019: o serviço foi encerrado)

ou diretamente:
iTunes: https://itunes.apple.com/br/app/xenubi-desafio-tabelaperiodica/id533559285?mt=8

Android: (Atualização setembro de 2018: foi removido da Paly Store)

GetJar: https://www.getjar.com/categories/education-apps/more/convertiva-285490

Saiba mais sobre o Xenubi pelo Facebook
http://www.facebook.com/xenubi

Os autores do projeto são os professores Dr. Marcelo Eichler do Departamento de Química da UFSC e da Dra. Gabriela Perry do Instituto de Design da UFRGS e conta com o apoio do CNPQ.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

0

cada elemento é um cupcake
Para comemorar o aniversário do Professor Martyn Poliakoff em 2010, a equipe do Periodic Videos gravou uma tabela periódica em um dos fios do cabelo de Martyn.

Em 2011 surpresa para foi uma festa com uma tabela feita com cupcakes representando cada elemento químico.

Este vídeo possui legendas em português. Se não está conseguindo ver as legendas, clique aqui e aprenda como ativar a visualização.

Esta ideia de usar cupcakes para cada elemento é relativamente comum, veja um outro exemplo.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

1

ilustracao em video educativo
Utilizando o espectro atômico do hidrogênio, o animador e físico Henry Reich, utilizou uma técnica semelhante ao visto na ´Orquestra radioativa´, para transformar as informações em sons.

Confira no vídeo abaixo como ficou o ´som do hidrogênio´.
Este vídeo possui legendas em português. Se não está conseguindo ver as legendas, clique aqui e aprenda como ativar a visualização.

É bom lembrar que este não é um som verdadeiro; não é algo que você vai ouvir do hidrogênio. É apenas um som feito com dados numéricos retirados das informações do espectro atômico do átomo.

Veja como o Henry criou o efeito.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

0

parte da tabela onde está o európio
Uma brincadeira relativamente comum é tentar achar o próprio nome na tabela periódica, compondo com os símbolos dos elementos.

Por exemplo, meu nome é Luís Roberto, e a construção do nome ficaria:

Lu Lutécio
I Iodo
S Enxofre

e

Rh Ródio
O Oxigênio
Be Berílio
Rh Ródio
Th Tório
O Oxigênio

No segundo nome foi necessário fazer uma pequena adaptação, já que não existem certas combinações de letras nos símbolos dos elementos químicos.

Outros preferem ir ainda mais longe na brincadeira, com um trocadilho e dizer que Eu estou na tabela periódica. Lembre que Eu é o símbolo do elemento európio.

Agora cada um pode tentar encontrar seu nome na tabela!

No Orkut existe até uma comunidade sobre o assunto. [Atualização em junho de 2015: O Orkut foi fechado.]

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).