Urânio

U

Número atômico: 92
Peso atômico (massa atômica relativa): 238,02891(3)
Ponto de fusão: 1405,3 K (1131,9 °C)
Ponto de ebulição: 4404 K (4131 °C)

Este vídeo possui legendas em português. Ative a exibição das legendas pelo player do YouTube.

Imagens

(clique para ampliar)
vaseline glass metal
projeto de ladrilhos decorativos
aplicações do mineral urânio
mineralogia do elemento

Posição do urânio na tabela periódica

Período 7
Bloco f

clique na imagem para ampliar

Como colecionar?

É possível encontrar minerais que contém urânio em sua composição. Mas o manuseio pode ser perigoso, evite ter este elemento em sua coleção.

Origem do nome

O elemento urânio batizado em homenagem ao planeta Urano, que havia sido descoberto 8 anos antes.

Libras

Seleção de perguntas e respostas

Como o urânio pode ser enriquecido para aumentar seu conteúdo físsil?
O urânio pode ser enriquecido pela separação de isótopos de urânio com diferentes métodos. Os métodos mais comuns são a centrifugação e a difusão gasosa. Esses métodos exigem que o urânio seja convertido em um gás de baixa temperatura chamado hexafluoreto de urânio (UF6). O gás é então girado ou forçado através de membranas para separar os átomos de urânio-235 mais leves dos átomos de urânio-238 mais pesados.
Outro método que está em desenvolvimento é a separação a laser. Esse método usa lasers para excitar os elétrons de um isótopo específico, alterando suas propriedades e permitindo que ele seja separado. Este método poderia ser mais eficiente e menos dispendioso do que os métodos atuais.

Quão mortal é segurar urânio ‘bolo amarelo’ e é possível manuseá-lo com segurança?
O urânio Yellowcake (bolo amarelo) é uma forma processada de minério de urânio que foi triturado e tratado quimicamente para remover as impurezas. Ele normalmente contém uma mistura de compostos de óxido de urânio e não é tão radioativo quanto o urânio bruto. No entanto, o urânio ‘bolo amarelo’ ainda pode ser perigoso se manuseado de forma inadequada.
O contato direto da pele com o urânio bolo amarelo pode causar toxicidade química, pois o material pode conter vestígios de outros produtos químicos tóxicos usados no processamento. A inalação de poeira ou partículas de urânio bolo amarelo também pode levar à exposição crônica à radiação, o que pode causar sérios problemas de saúde, incluindo um risco aumentado de câncer.
É possível manusear o urânio amarelo com segurança, mas requer treinamento, equipamentos e instalações adequados para minimizar o risco de exposição. Isso inclui o uso de equipamentos de proteção adequados, como luvas, jalecos e proteção respiratória, e o manuseio do material em uma área adequadamente ventilada com controles rígidos de contaminação.
Se você não for treinado ou autorizado a lidar com urânio amarelo, não tente fazê-lo. Também é importante observar que o manuseio de urânio amarelo fora de um laboratório ou instalação industrial adequadamente equipado não é apenas perigoso, mas também ilegal na maioria dos países, devido ao seu uso potencial no desenvolvimento de armas nucleares.

Se eu conseguir um pouco de urânio, posso fazer uma bomba atômica?
É importante observar que tentar fabricar uma bomba atômica sem a devida autorização e experiência é altamente ilegal e perigoso e pode resultar em graves consequências legais e danos a você e a outras pessoas.
Para responder à sua pergunta… Apenas obter urânio não é suficiente para fazer uma bomba atômica. Embora o urânio seja um componente chave na criação de armas nucleares, há muitos desafios técnicos e de engenharia que devem ser superados para criar uma bomba funcional.
Para fazer uma bomba atômica, é necessário urânio ou plutônio altamente enriquecido, e isso requer equipamentos e conhecimentos especializados. O processo de enriquecimento de urânio também é altamente regulamentado e monitorado por autoridades internacionais para evitar a proliferação de armas nucleares.
Além disso, a construção de uma bomba atômica requer uma quantidade significativa de recursos, incluindo acesso a equipamentos científicos avançados, conhecimento especializado e apoio financeiro significativo. Não é um processo simples ou fácil, e tentar fazê-lo sem a devida autorização e experiência é ilegal e altamente perigoso.

O urânio brilha?
O urânio em si não brilha. No entanto, em certas circunstâncias, pode emitir uma fraca luz verde-azulada conhecida como fluorescência, que pode dar a aparência de brilho.
Quando o urânio é exposto a certos tipos de radiação, como a luz ultravioleta (UV), ele pode absorver a energia e reemiti-la como luz visível. Este fenômeno é conhecido como fluorescência. A luz visível emitida pelo urânio é tipicamente azul ou verde e pode parecer emitir um brilho fraco em condições de pouca luz.
Essa fluorescência às vezes é usada em aplicações científicas e industriais, como na detecção de urânio e em lâmpadas fluorescentes. No entanto, é importante observar que o urânio pode ser um material radioativo e a exposição a ele deve ser limitada e controlada por motivos de segurança.

Os reatores nucleares de tório são mais seguros que os reatores de urânio?
Os reatores de tório têm o potencial de serem mais seguros do que os reatores de urânio tradicionais em certos aspectos, mas também existem alguns desafios que precisam ser enfrentados.
Uma vantagem do uso do tório é que ele é mais abundante que o urânio e também é menos facilmente usado na criação de armas nucleares. Além disso, os reatores de tório produzem menos resíduos radioativos de vida longa em comparação com os reatores de urânio, o que significa que os resíduos que eles produzem são menos perigosos e requerem menos armazenamento a longo prazo.
No entanto, existem alguns desafios técnicos que devem ser superados antes que os reatores de tório possam ser amplamente implantados. Por exemplo, o tório em si não é físsil, então deve ser convertido em um material físsil, como o urânio-233, que requer uma fonte de nêutrons. Isso apresenta algumas dificuldades técnicas no projeto de um reator seguro e eficiente.
Outro desafio com os reatores de tório é que eles ainda produzem algum resíduo radioativo, embora o resíduo seja geralmente menos perigoso do que o produzido pelos reatores de urânio. Além disso, alguns projetos de reatores de tório ainda podem exigir o uso de urânio ou plutônio no ciclo do combustível, o que pode apresentar riscos de proliferação.
No geral, embora os reatores de tório tenham o potencial de serem mais seguros do que os reatores de urânio tradicionais em certos aspectos, ainda existem desafios técnicos e questões de segurança que devem ser resolvidos antes que possam ser amplamente implantados.

Textos

O que acontece se eu tiver um átomo de urânio no meu corpo?
Um exército envelhecido
A caixa de material radioativo do Cody

5 comentários

  1. Pingback: Aquele brilho jun 25, 2010
  2. joao antonio maio 24, 2012
  3. Gabriela ago 7, 2012
  4. ana carolina abr 22, 2013
  5. Mauí out 7, 2021
  6. Matheus Atomico abr 10, 2022

Escreva um comentário